segunda-feira, março 19, 2007

A propósito

Pegando na provocação do Tiago (http://www.modularvideo.blogspot.com/), fica desde já feito o desafio à PX; no próximo Andanças, deveria haver uma cota minima de danças portuguesas no repertório dos grupos Portugueses convidados. Estou a falar muito a sério. Pelo menos de 25%. Chama-se discriminação positiva, e começa a ser necessária. A ver se o Andanças deixa de parecer uma feira de produtos de exportação franceses em terras de Viriato. A revolução na música (tradicional) tem que ser feita cá dentro, não se pode importar o produto irlandês ou francês já pronto a consumir. Ainda por cima os franceses e irlandeses serão sempre melhores que nós a fazer as suas músicas.

19 comentários:

Anónimo disse...

Mais nada!!!

celinapiedade disse...

Revolução na música tradicional, tira o pé da cova caravela do cabral!!

O Provedor disse...

Pegando na provocação do JOÃO, fica desde já feito o desafio ao PAULO; no próximo CASAMENTO, deveria haver uma cota minima de GAJAS portuguesas no repertório dos GAJOS Portugueses convidados. Estou a falar muito a sério. Pelo menos 1 AVÔ OU AVÓ (25%). Chama-se discriminação positiva, e começa a ser necessária. A ver se os CASAMENTOS deixam de parecer uma feira de produtos de exportação franceses em terras de Viriato. A revolução no matrimónio (tradicional) tem que ser feita cá dentro, não se podem importar GAJAS irlandesas ou francesas já prontas a consumir. Ainda QUE OS PORTUGUESES SEJAM SUPERIORES aos franceses e irlandeses a PAPÁLAS!

VJ Tia 60 disse...

Acho imensa piada quando se começam a fazer piadas baratas sobre assuntos sérios. É por isto que este pais é mesmo triste.
O problema é que o andanças não paga cachet porque se pagasse e houvesse a tal cota queria ver se não tocavam mais pportuguesas.
Haja paciência. Machistas!

O Provedor disse...

Enfio a carapuça da piada barata! (embora discorde que esse é o grande problema do País)

Já a do machista é forte! (acho que neste caso existe uma falta de humor da tua parte, diria mesmo que...É por isto que este pais é mesmo triste...)

Quanto à seriedade da problemática em questão, ao contrário do que possa parecer acho que de facto é um problema sério e que urge discutir... estou disponível para isso embora reconheça a minha incapacidade de o fazer convenientemente numa caixa de comentários (reconheço que tenho alguma falta de capacidade de síntese no que à escrita respeita)... é uma questão de se combinar outra forma de discutir a coisa.

Deixo no entanto duas notas:
1. Não acho que a imposição de cotas seja um bom método...nomeadamente com retaliações monetárias (preferindo em alternativa formas de INCENTIVO a definir, para que os grupos toquem mais cenas tugas).
2. Já agora a outra nota, respeita a um aspecto que relevas no teu manifesto (no teu Blog), com o qual discurdo, a saber: quando dizes que o problema passa por qualquer espécie de “…Preconceito e/ou vergonha escondida…”acho que é uma conclusão que não se adequa à realidade especifica deste “movimento”… Sexy!, do qual o Andanças é o evento mais mediático… não acho que o problema seja esse, pelo menos por aqui. É mais desconhecimento e/ou limitações que o processo de castração dos “ranchos” fizeram às Danças Portuguesas.

Prontus … por agora é tudo!
Resta dizer que estou extremamente sentido com a tua crítica, e que, como retaliação a próxima vez que tiver um cão teu à minha guarda, em vez de o deixar fugir por negligência, procederei ao seu assassinato com todos os requintes de malvadez que me lembrar na altura!
Grande abraço!

Paulo disse...

Pois, eu continuo na minha. Principalmente porque sei que daqui a uns vinte anos esta discussao sera absoleta. A revoluçao é inevitavel; do ponto de vista fisico, reinventar a musica portuguesa é um estado de equilibrio que mais tarde ou mais cedo atingiremos. A descriminaçao positiva é apenas para que seja mais cedo. Depois explico melhor... tem ver com a teoria das catastrofes e com a entropia do universo.

O provedor disse...

Entretanto reparei que a discussão vai uns passos mais à frente lá pelo "modular video".
Também acho que o Paulo tem razão quando diz que o processo será inevitável (e para que conste a minha opinião, isso é DESEJÁVEL)
O meu problema é que por um lado tenho um problema mal resolvido de principio com cotas!.
Não obstante este meu princípio, posso até reconhecer que em alguns assuntos poderá ter alguma eficácia, mas neste caso sinceramente não acho… vou mais pela teoria da inovação/renovação da tradição, quer na música quer principalmente nas danças. E isto é uma atitude que não se impõe com cotas!

VJ Tia 60 disse...

falta de sentido de humor será.
é que já estou farto desta coisa dos comentários sem resolver nada...eu tento fazer
desculpa se te ofendi mas ouve lá para a conversa das gajas tambem não há pachorra é que é mesmo machista falar de gajas. Algo que tento corrigir do meu caracter masculino especialmente quando vou ao obstetra e ele diz me apaixonamo-nos por elas lindas e olha como se poem. Não há pachorra desculpa
quanto ao cão já é outra conversa
Entropia 4 lei da termodinamica mais tarde ou mais cedo tudo se transfomara em merda implode para dentro
revoluçao sim
cotas sim
e a vergonha existe sim senhor
uma vez um velho em tras os montes disse me em 50 anos de governos sempre houve trasmontanos no poder mas nunca nenhum fez nada por esta terra

VJ Tia 60 disse...

mas tens razao quanto aos ranchos na mesma.
grande abraço falta me a tua entrevista este dialogo ainda me deu mais vontade
e tambem tens razao no reinventar vamos a isso

Paulo disse...

Amigo, as cotas é o objectivo; o meio para se atingir esse fim ainda tem que se engendrar. Uma forma simpatica, seria a PX promover os grupos que fazem danças portuguesas (por ex. fazer' um Cd ou um video promocional desses grupos); oferecer um premio para a melhor composiçao de um Vira ou de uma Chula (um presunto de chaves ou um fim de semana na Serra da Arada, na Aldeia de Covas do Monte, no meio das cabras); Sei la, uma coisa do estilo, que desperte a vontade no pessoal de investir no Tuga Trad. Claro que eu sendo afiliado no MRPP; sou um bocado suspeito...

MRPP - Movimento radical pastoril português

VJ Tia 60 disse...

não te esqueça dos burros
um fim de semana em vilar seco tambem será um bom premio
asinoterapia
da aepga tambem sou membro
AEPGA
associação para o estudo e proteção do gado asinino

VJ Tia 60 disse...

ainda mais se decidirem fazer esse cd estou lá e não cobro nada ofereço os meus serviços à causa

Provedor disse...

Shôr vj Tia 60:
Quanto às gajas...convenceste-me e penitencio-me!...por vezes esqueço-me que isto dos blogs não é uma cena privada!
Quanto a ofensas... ó meu amigo...desde que não digas mal do Papa ou da Irmã Lucia...
Quanto ao resto...vamos a isso!...mas pode ser sem Cotas? (quer dizer... com cotas, no sentido de senhores e senhoras de idade mais avançada... está bem assim?)
Grande abraço

Mathi@s disse...

Bom, amigos.
Neste pais como sabem, quanto mais obrigam menos se faz. O melhor élevar as coisas com calma e levarmos as coisa a bom caminho. Isso da música portuguesa e dança tem de estar muito bem CONSOLIDADAS, ou ligadas. Senão acabará como Os Ronda oda 4 Caminhos, ou a Brigada Vitro JAra, em que muitas vezes as pessoas estão ali aos pulos de cerveja na mão a curtir. Acho que enquanto danças e musica não se interligarem, a coisa não vai...

Paulo disse...

Eu acho que nao ha o perigo dos xukalhus ou dos NMB virem a tornar-se numa ronda ou numa Brigada: os projectos nao têm nada a ver, eles nunca se preocuparam com o baile. O importante mesmo é fazer, e começar a tocar as nossas danças. O resto vira por inercia. Mas afinal estao de acordo ou anao com os incentivos? o tal presunto de chaves para o melhor Vira de 2007? é isso é que eu quero saber....

Paulo disse...

Mas para nao dizerem que me acomodo fica aqui o desafio: proximo Domingo em Evora, aproveitamos para falar todos no intervalo das valsas mandadas (espaço celeiros). Tragam os vossos padrinhos, as armas sao as do costume: palavras afiadas e uma pitada de sarcasmo explosivo.

burriqueira... disse...

Concordo no incentivo um premio para a melhor composiçao de um Vira ou porque não um Repasseado de trás-os-montes, em relação ao prémio podemos sempre oferecer a estadia por terras de miranda e um passeio de burros...
Haja bailes portugueses!!!
Ai!!! aqueles que folgavam nas vilas e nas aldeias quando as festas se juntavam....

Chauvinista Afrancesado disse...

Que disparate.

Comecem a pagar cachets e depois falamos.

Anónimo disse...

acho muito bem que se toquem e bailem musicas trad tugas, mas, fazer disso uma condição para se tocar no andanças é completamente opressivo! como musico não faz sentido na minha cabeça que alguém possa ter a ousadia de querer limitar o espaço criativo de outra pessoa. ainda por cima num festival como o andanças, com toda a filosofia que tem, ou que talvez eu pense que tenha. também não faz sentido dizer que nunca tocaremos melhor que os outros as musicas estrangeiras, basta ouvir com atenção as bandas tugas, os arranjos de uma coisa em forma de assim! (por exemplo) são, na sua maioria, bastante melhores que as musicas originais. dancing strings, alfa arroba, fol&ar e claro uxu kalhus são só exemplos de bandas tugas que tocam, sem qualquer duvida, bastante melhor do que outros projectos franceses ou italianos ou ingleses. tenho uma imensidão de respeito e admiração pelo trabalho e musica feitos por ti paulo, mas é completamente descabido obrigar alquem que quer ir tocar ao andanças a tocar musicas que pode n querer tocar ou simplesmente n gostar.
obrigado por gastares o teu tempo com a minha opinião, sei que é algo revoltada e n tenciono de nenhuma forma ofender ninguém, mas de facto é assim que me sinto em relação as cotas, n faz sentido. já os premios é mto boa ideia. incentivar e não reprimir.